Google+ Followers

sexta-feira, 22 de julho de 2016

UNOSAT 1 ( Graduação Orbital Student Satellite )

                                                          UNOSAT 1 (sem células solares) [UNOPAR]

UNOSAT 1 ( Graduação Orbital Student Satellite ou) era um estudante construído nanosatélite e foi composto por transmissor FM, baterias, 4 painéis solares, antena, e um computador. O satélite era transmitir em intervalos regulares uma mensagem de voz e um pacote de telemetria no protocolo AX25. Na sequência de dados foi transmitida a ser:
  • Telemetria
  • Temperatura dos painéis solares
  • Temperaturas das baterias recarregáveis
  • Temperatura do transmissor e do computador
  • Voltagem das baterias
  • Aceleração centrípeta
Ele tinha uma massa de 8,83 kg e tinha 46 cm por 25 cm por 8,5 cm pequenas.
UNOSAT 1 foi destruído na explosão de pré-lançamento do VLS-1 impulsionador alguns dias antes do lançamento planejado.

Nação:Brasil
Tipo / Aplicação:Tecnologia
Operador:Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)
Contractors:Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)
Equipamento:?
Configuração:caixa
Propulsão:Nenhum
Poder:As células solares, baterias
Tempo de vida:
Massa:8,8 kg
Órbita:750 km × 750 km, 15 °
SatéliteCOSPAREncontroLSVeículo de lançamentoObservações
UNOSAT 12003-E012003/08/22al VLSF%VLS-1com SATEC

O SATEC ( Satélite Tecnológico )

 SATEC  [ INPE ]

SATEC ( Satélite Tecnológico ) foi planejado para testar o equipamento tecnológico embarcado no VLS-1 veículo de lançamento. Foi a ter uma vida útil de seis meses. Massa da SATEC era 65 kg, uma caixa com uma largura e uma profundidade de 66 cm e uma altura de 61 cm.

SATEC foi a orbitar em uma órbita 750 km com 15 ° para testar quatro sistemas tecnológicos a bordo:
  • uma bateria,
  • um PCU,
  • um GPS receptor (sistema de posicionamento global) para determinação da sua localização,
  • e o transmissor de alta frequência (bandas).
A estrutura, a bateria, o PCU eo transmissor S-Band tinha sido desenvolvido internamente no INPE; os painéis solares e os GPS têm sido desenvolvidos em parceria com empresas nacionais.
SATEC foi destruído na explosão de pré-lançamento do VLS-1 impulsionador alguns dias antes do lançamento planejado.

Nação:Brasil
Tipo / Aplicação:Tecnologia
Operador:INPE
Contractors:INPE
Equipamento:?
Configuração:Cubo
Propulsão:Nenhum
Poder:As células solares, baterias
Tempo de vida:6 meses
Massa:65 kg
Órbita:750 km × 750 km, 15 °
SatéliteCOSPAREncontroLSVeículo de lançamentoObservações
SATEC2003-E012003/08/22al VLSF%VLS-1com UNOSAT 1

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Os satélites dos SCD ( Satélites de Coleta de Dados série)

SCD 2, 2A


Os satélites dos SCD ( Satélites de Coleta de Dados série) estão equipados para coletar e transmitir dados meteorológicos e ambientais recolhidos por plataformas automáticas (PCD) instaladas em terra ou em bóias oceânicas. Os dados são transmitidos para uma ou mais estações terrestres.
O INPE é responsável pelo desenvolvimento, produção e operação desta série de 4 satélites, o SCD-1 , SCD-2, SCD-2A e SCD-3 .

SCD-2 é um follow-on satélite com os mesmos objectivos que SCD-1, mas com melhores performances de coleta de dados, devido a modificações nos subsistemas de controle antenna- e atitude. É também uma nave espacial estabilizou-spin com a velocidade de rotação agora ativamente controlado (no 32 - faixa de rpm 36) usando duas bobinas magnéticas magnéticos. O novo sistema atitude do SCD-2 permite eliminar as antenas de recepção no painel na parte inferior da nave espacial. Existem apenas quatro monopolos UHF no painel superior.

Os dados a bordo sistema de tratamento foi modernizado. Todas as funções são agora realizado por um único OBC (Computador de Bordo).

SCD-2 foi lançado com sucesso em 1998, por um Pegasus-H do veículo, de Cabo Canaveral. Atualmente, ela opera formar em conjunto com SCD-1.

O idêntico SCD-2A foi perdido no lançamento inaugural do VLS-1 , em 1997.

Nação:Brasil
Tipo / Aplicação:A coleta de dados e relé
Operador:INPE
Contractors:INPE
Equipamento:?
Configuração:prisma octogonal
Propulsão:Nenhum
Poder:As células solares (110 W)
Tempo de vida:2 anos
Massa:115 kg (# 2A); 117 kg (# 2)
Órbita:742 km × 768 km, 25,0 ° (# 2)
SatéliteCOSPAREncontroLSVeículo de lançamentoObservações
SCD 21998-060A23.10.1998CC, L-1011, RW02 / 22Pegasus-H
SCD 2A1997-F031997/11/02al VLSFVLS-1
Outras missões SCD:


SACI ( Satélite Científico 1 )

                                         SACI 1   [ INPE ]


SACI ( Satélite Científico 1 ) é um 60 kg satélite científico (satélite Cientifico) lançou no dia 14 Outubro de 1999 sobre um chinês CZ-4B lançador do local de lançamento de Taiyuan. A sonda foi construída pela Agência Espacial Brasileira (INPE), e colocado em um km órbita sincronizada com o Sol 732 × 747, juntamente com o satélite de sensoriamento remoto chinês e brasileiro joint CBERS 1 como carga principal.

O satélite transporta quatro cargas úteis científicas a fim de investigar bolhas de plasma no campo geomagnético, brilho ar e fluxos de radiação cósmica anômalos. Ele também traz vários desenvolvimentos de tecnologia de plataforma. A sonda tem quatro painéis destacáveis. O segmento térreo é composto por duas estações principais e dados de campo do usuário estações de coleta. Relata-se que o contacto com a sonda foi perdida logo após o lançamento, quer devido a um sistema de comunicações, antena, ou falha do computador.
Nação:Brasil
Tipo / Aplicação:Scientific, raios cósmicos, de campo e de plasma magnético
Operador:INPE
Contractors:INPE
Equipamento:?
Configuração:caixa com 4 painéis, rotação stabilzed (6 rpm)
Propulsão:Nenhum
Poder:4 painéis solares fixos implementáveis, baterias
Tempo de vida:
Massa:60 kg
Órbita:733 km × 745 km, 98,6 °
SatéliteCOSPAREncontroLSVeículo de lançamentoObservações
SACI 11999-057B14.10.1999TY LC-7CZ-4Bcom CBERS 1
Outras missões SACI:

SACI 2 ( Satélite Científico 2 )


                                    SACI 2 [ INPE ]

SACI 2 ( Satélite Científico 2 ) é um 60 kg satélite científico (Aplicações Científicas Satellite), lançado em 11 de Dezembro de 1999 sobre o segundo vôo dos brasileiros VLS-1 . Falha da segunda fase lançador impediu de alcançar órbita.

A sonda foi construída pela Agência Espacial Brasileira (INPE). O satélite mede 640 × 400 × 400 mm e leva quatro cargas úteis científicas (PLASMEX, MAGNEX, Ocras e foto) com uma massa de 10 kg, a fim de investigar bolhas de plasma no campo geomagnético, brilho ar e fluxos de radiação cósmica anômalos. Ele também traz vários desenvolvimentos de tecnologia de plataforma.

A sonda está rotação estabilizada. O segmento terrestre é constituída pelas duas estações principais com 3.6m prato, e dados de campo do usuário estações de coleta. A nave espacial emprega links de comunicação S-band com um 2W, 256 kbps downlink e uplink 19200 bps.Um sólido gravador de dados do estado com capacidade 48MBytes é realizada. Sua nave espacial irmã SACI-1 foi lançado no início de 1999. SACI-1 e 2 são relatados para ter custado cerca de US $ 1,7 cada.

Nação:Brasil
Tipo / Aplicação:Científico
Operador:INPE
Contractors:INPE
Equipamento:PLASMEX, MAGNEX, Ocras e PHOTO
Configuração:Caixa com disco circular, rotação stabilzed (6 rpm)
Propulsão:Nenhum
Poder:As células solares, baterias
Tempo de vida:
Massa:80 kg
Órbita:750 km × 750 km, 17,5 ° (planejada)
SatéliteCOSPAREncontroLSVeículo de lançamentoObservações
SACI 21999-F0511.12.1999al VLSFVLS-1
Outras missões SACI:

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Satélite Para o Jogos Olímpicos Reúne, em Minutos, Informação Que Demoraria Dias

VersionStage 1Stage 2Stage 3Stage 4Stage 5
Start15Zh58A15Zh58B15Zh58B15Zh58VStart
Start-115Zh58A15Zh58B15Zh58VStart-
Start-1.215Zh58A15Zh58B15Zh58VStartDS
No:             Type                    Date          LS          Payload

 1      1       Start-1                 25.03.1993    Pl LC-158   EKA 1
 2      1       Start                   28.03.1995 F  Pl LC-158   Techsat 1 (Gurwin 1) / UNAMSAT A / EKA 2
 3      1       Start-1.2               04.03.1997    Sv LC-5     Mozhayets 2 (Zeya, RS 16)
 4      2       Start-1                 24.12.1997    Sv LC-5     Earlybird 1
 5      3       Start-1                 05.12.2000    Sv LC-5     EROS A1
 6      4       Start-1                 20.02.2001    Sv LC-5     Odin
 7      5       Start-1                 25.04.2006    Sv LC-5     EROS B
 


Planned:

 8      6       Start-1                 xx.xx.2018    Vo          EROS C


Launch sites:

Pl  = Plesetsk (NIIP-53, GIK-1, GNIIP), Russia Russia
Sv  = Svobodniy (GIK-2), Amurskaya Oblast', Russia Russia
Vo  = Vostochniy, Amurskaya Oblast', Russia Russia


DEFESA E SEGURANÇA
Segurança Olímpica
Satélite Reúne, em Minutos,
Informação Que Demoraria Dias
O satélite Eros B será utilizado para a segurança dos Jogos Rio 2016 e,
posteriormente, na vigilância das fronteiras do Brasil
Por Portal Brasil
Publicado: 19/07/2016 - 10h21
Última modificação: 19/07/2016 - 10h25

Foto: Agência Espacial Brasileira/divulgação
Além de ajudar na Rio 2016, satélite pode ser
empregado em monitoramento de fronteiras.
Com apenas 2,3 metros de altura por 1,2 metro de diâmetro, o satélite israelense Eros B é uma das grandes apostas do governo brasileiro para monitorar e auxiliar as operações de segurança durante os Jogos Rio 2016.
O Eros B, lançado ao espaço em 2006, já está plenamente operacional em uma órbita acima do Brasil. O acordo assinado com Israel estabelece que o satélite ficará à disposição do Brasil ao longo de um período de seis meses. Uma vez finalizados os Jogos Olímpicos, ele será empregado na vigilância de fronteiras.
Para o coronel Hélcio Vieira Júnior, coordenador da equipe da Força Aérea que fornecerá as imagens aos principais órgãos de inteligência do País, o satélite é um diferencial tecnológico para o monitoramento de segurança. “Conseguimos reunir, em minutos, o que demoraria dias com outras fontes”, afirma.
A aeronave está, atualmente, em órbita a uma altura de 520 km da superfície e permite uma visão clara de qualquer objeto que esteja a mais de 70 centímetros do chão ou em relação a outro objeto. O satélite faz a volta ao globo duas vezes ao dia.
Diferencial
De acordo com o coronel, nenhum sensor sozinho pode dar uma visão total dos acontecimentos. “Cada sensor tem uma característica em que ele é bom e que ele não é bom.” Para explicar a complementação de uso que o equipamento permite, ele faz uma analogia entre os equipamentos de vigilância e uma lupa. “Se eu tenho uma lupa, vou conseguir ver o rótulo do remédio sem problema nenhum. Agora, se a pessoa tiver uma lupa colada ao rosto e pedirem que ache uma informação específica em uma sala com várias outras bulas, a tarefa ia ser muito mais difícil”, comenta.
A mesma lógica se aplica aos sensores de imagens. Segundo Vieira, nenhum sensor de imagens, seja ele uma Aeronave Remotamente Pilotada (ARP) ou uma câmera de monitoramento de um poste instalado no centro da cidade, pode, sozinho, dar uma “visão total” do que está acontecendo.
“Com a imagem geral, é possível direcionar melhor os outros equipamentos”, avalia o coronel. Segundo ele, o satélite “não é a solução para tudo”, mas tem a “visão de Deus”, abrangendo uma área muito grande e permitindo que, com os indícios do satélite, apenas o sensor mais específico para a situação abordada seja usado.
Monitoramento nas Fronteiras
As características operacionais do Eros B podem ser de muita utilidade para implementação final do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron) do Exército Brasileiro, que será integrado por radares fixos e móveis, bem como câmeras e outros sensores instalados ao longo das fronteiras brasileiras.
O uso desse tipo de tecnologia vai facilitar as ações da Polícia Federal e da Receita Federal, por exemplo, permitindo saber “onde são as passagens de carga e pessoas ilegais”, acrescentou Vieira.
Fonte: Site Portal Brasil -  http://www.brasil.gov.br

EROS B - ( Earth Resources Observation Sistemas B )




     A fim de atender a demanda do mercado para uma mais rápida revisitar de EROS ( Earth Resources Observation Sistemas B ), satélites, ImageSat tenha adquirido o EROS Bsatélite, que está agendado para lançamento durante o primeiro trimestre de 2006.

Semelhante em aparência a EROS A , o novo satélite tem capacidades superiores, incluindo uma câmera maior do tipo CCD / TDI (Charge Coupled Device / Time Delay Integration), com resolução pancromática padrão de 0,70 m, a uma altitude de cerca de 500 km, a maior on-board gravador, melhorou apontando precisão e um link de comunicação de dados mais rápida.

A vida útil projetada do EROS B é de dez anos, mas ImageSat esperar que ele funcione por 14 anos.
Originalmente uma constelação de 4 EROS B satélite foi planejado, mas foi reduzida para apenas um. Era para ser completada por EROS C em 2009, mas o lançamento deste satélite foi adiado.

Nação:Israel
Tipo / Aplicação:Observação da terra
Operador:ImageSat Internacional
Contractors:IAI
Equipamento:?
Configuração:OPSAT-2000 Bus
Propulsão:?
Poder:2 painéis solares fixos implementáveis, baterias
Tempo de vida:10 anos
Massa:350 kg
Órbita:500 km SSO
SatéliteCOSPAREncontroLSVeículo de lançamentoObservações
EROS B2006-014A25.04.2006LC-5 SvStart-1
EROS B2-canceladoLC-5 SvStart-1
EROS B3-canceladoLC-5 SvStart-1
EROS B4-canceladoLC-5 SvStart-1

Referências:

  • ImageSat Internacional Site
Outras missões EROS: